«A forma inteligente de manter as pessoas passivas e obedientes é limitar estritamente o espectro da opinião aceitável, estimulando concomitante e muito intensamente o debate dentro daquele espectro... Isto dá às pessoas a sensação de que o livre pensamento está pujante, e ao mesmo tempo os pressupostos do sistema são reforçados através desses limites impostos à amplitude do debate».Noam Chomsky

"The smart way to keep people passive and obedient is to strictly limit the spectrum of acceptable opinion, but allow very lively debate within that spectrum - even encourage the more critical and dissident views. That gives people the sense that there's free thinking going on, while all the time the presuppositions of the system are being reinforced by the limits put on the range of the debate." – Noam Chomsky

It will reopen now and then.



12 de dezembro de 2006

Portugal

Segunda-feira.

Começo da tarde.

Chuviscos.

Por detrás da vidraça, observo estacionamento invulgar.

Da viatura - impedindo a circulação na rua transversal - saiu primeiro o mais velho, de pá em punho.

Depois saiu o segundo.

Eram três.

Os dois primeiros, de colete reflector vestido, encheram as pás de gravilha negra.

Tentaram a travessia, mas pararam de repente.

A hora era de movimento e as derrapagens foram o aviso.

Surgiu o terceiro homem, o motorista, esbracejando.

Dos "ligeiros", que pararam, adivinhei sinais de impaciência.

A viatura do Município (caixa aberta) e os homens das pás, eram o alvo.

Atravessaram, os três.

A missão estava a revelar-se espinhosa.

Mas não só pelo risco eminente de atropelamentos: O buraco no "tuvenan" (?) na outra margem da via, devia requerer solução sofisticada...porque, material e homens, qual promessa, tinham mesmo de atravessar a rua, sob pena do serviço ficar imperfeito!

Conferenciaram os três.

As pás baixaram e voltaram vazias de regresso ao veículo de caixa aberta, após cuidadoso atravessar.

Quarenta minutos depois voltei à janela.

O "caixa aberta" já ía lá ao fundo.

Os chuviscos tinham parado.

Curioso, fui ver o "tapado".

Não tinha mais que 40 cm2 e......se não fosse a sua corcunda (lombazinha, ou cereja no topo do bolo!), o serviço nunca poderia tornar-se, como se tornou, em autêntica obra de arte.

Como insuspeitadamente vi e olhei.

Depois pensei: "com trabalho assim planificado, por gente preparada, e três especialistas daquele gabarito, não era de esperar outra coisa!"

8 comentários:

Opintas / Bernardo disse...

A mim não me engana Bocê com essas lérias carago. Um bom dia.

Eric Blair disse...

Tout-venant :-)

Belzebu disse...

Provavelmente reuniram ao fim da tarde para planear a intervenção de amanhã. Porque de certeza que o trabalho exige melhoramentos!!

eheheh!! Saudações infernais!

Zé Lérias disse...

Agradecimenos pela vossas visitas.

Opintas: Penso que te enganaste no comentário, aqui. Se não te enganaste, não o entendo.
E se, como penso, a "seta" era dirigida ao post de "a fontenova" (morreu o traidor) já faz algum sentido. Tenho o que mereço por assumir que não sou, de facto, nazi. Agradeço a tua frontalidade.

eric blair: Obrigado pela achega acerca do "tuvenan". Afinal aporteguesei o tout-venant.

belzebu: Tens razão. os homens voltaram no dia seguinte. Embora não seja norma deste blog ilustrar os textos, da próxima vez vai haver foto e tudo.

Abraços para todos.

amadis / pintoribeiro disse...

Abraço, boa noite,

Josefa Pacheca Pereira disse...

Tens um problema só comigo ou é com o blogue inteiro?

Eu rio-me.

Opintas / Bernardo disse...

Lérias são sempre as mesmas carago.

Zé Lérias disse...

Josefa: Olha que , olha que não!
Se não vou mais vezes ao teu blogue é porque me esqueço.Porque até gosto dele.

Opintas: Cada vez gosto mais de ratas ;)

Abraços aos dois e até sempre.